top of page
  • Foto do escritorEduardo Amorim

Por que existem os estilos de cerveja?


Mapa de estilos

Conheça o porquê da classificação das cervejas em estilos e o que Michael Jackson tem a ver com isso.

 

É tudo uma questão de comparação

Vamos tomar como exemplo um brownie versus um petit gateau. Os ingredientes são muito parecidos, mas as quantidades e tempos não. Ou seja, o fato de mudar poucas coisas gera duas sobremesas completamente diferentes.

Com as cervejas é mais ou menos assim. Não somente ingredientes distintos (tipo de grão, nível de torrefação, cepa de levedura, uso de adjuntos, frutas etc), mas também quantidade e métodos de fabricação farão com que se obtenha sabores, aromas e sensações muito distintos.

Então, como comparar alhos com bugalhos?

Ao longo dos anos, foi um caminho natural juntar cervejas semelhantes em grupos para poder tratá-las de forma semelhante, terem seus impostos cobrados de acordo com suas características (por exemplo teor alcoólico), ajudar o público a decidir sua preferência e tornar possível compara-las em concursos.

Foi assim que painéis como o BJCP ou o BA criaram suas classificações e separaram as cervejas em estilos. A título de exemplo, o BJCP, em 2015, oficializou e separou as cervejas em cerca de 120 grupos.

Mas, bem antes disso o rei pop da cerveja já havia feito um trabalho árduo de provar váááárias cervejas ao redor do mundo e classificá-las. (... tá bem, não foi um trabalho tão árduo assim ....)

Esse cara foi Michael Jackson (1942-2007), um escritor britânico que, em 1977, publicou o livro 'The World Guide To Beer'. Tal livro foi imediatamente reconhecido no mundo cervejeiro pelo que trazia: a investigação, avaliação e classificação de cerca de 500 marcas de cerveja. Tal lançamento tornou-se um marco na história recente da classificação em estilos.

Veja no YouTube alguns episódios que ele fez para o programa The Beer Hunter, por exemplo este, em que ele fala das lambics.

 

E o que difere um estilo do outro?

Há, basicamente duas formas de classificar as bebidas: a forma objetiva e a forma subjetiva.

A forma objetiva é mensurável por instrumentos ou cálculos, segue a física e matemática de forma reta, sem interpretações. São as seguintes características:

  • OG: densidade da cerveja antes da fermentação

  • FG: densidade da cerveja após a fermentação

  • ABV: (alcohol by volume) teor alcoólico por volume

  • IBU: (International Bitterness Unit) nível de amargor

  • Cor: cor medida em SRM (Standard Reference Method) ou EBC (European Brewery Convention)

A outra forma é a subjetiva, trata das sensações relacionadas à degustação. Normalmente, as cervejas são descritas conforme:

  • Aroma: sensação no nariz

  • Sabor: é o resultado da união de 3 fatores:

aroma

gosto (salgado, doce, azedo, amargo, umami)

sensações gustativas

  • Corpo: trata da sensação na boca, seu corpo, sua consistência

Sugiro dar uma olhada no guia de estilos do BJCP ou do BA para ver como eles classificam e descrevem as cervejas.

 

Conclusão

Você tem seu gosto pessoal e isso o faz simpatizar por determinados grupos de acordo com suas características, levando à máxima (usada muito no mundo dos vinhos): você não precisa conhecer os estilos pra saber quais caraterísticas gosta numa cerveja, a melhor cerveja é a que você gosta.

Porém, é bom saber a caraterística geral dos estilos, pois isso facilita seu dia-a-dia na hora de decidir por uma ou outra cerveja, principalmente quando você quer experimentar novidades.

Sabendo em que estilo aquela bebida se encaixa, você sabe mais ou menos o que esperar dela.

 

Sabia que eu posso ir até sua casa, empresa ou evento e fazer a cerveja?

Acesse a área 'Serviços' e contrate-nos, seja para um curso sobre como fazer cerveja, consultoria, aluguel de equipamentos ou atendimento a eventos.

235 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

コメント


bottom of page